Datamed

0
0
Subtotal: R$0.00
Não há produtos no carrinho.
Meu orçamento R$0.00
0
0
Subtotal: R$0.00
Não há produtos no carrinho.

Atenção! Produtos FANEM apenas para o estado de Minas Gerais

Conheça Os 3 Tipos De Água Laboratorial Purificada E Para Que Servem  

Imagem 7

Cada aplicação em um laboratório possui sua necessidade em relação ao nível de purificação da água utilizada. Por isso neste artigo vamos conhecer os diferentes tipos de água disponíveis no mercado, quais são suas características e usos recomendados. 

De acordo com as classificações da ASTM, existem três tipos de água purificada para laboratório. Essas classificações se baseiam numa concentração máxima de contaminantes permitida para cada tipo, sendo o tipo 1 o mais puro – água ultrapura – e o tipo 3 o menos puro – água de osmose reversa.

Água tipo 1 (Ultrapura) 

Imagem 1: Sistema de água ultrapura GenPure Pro da Thermo Scientific 

É na verdade um grupo de possibilidades, sendo os diferentes tipos de água ultrapura selecionados de acordo com a necessidade de sua amostra e do equipamento que será utilizado em seu ensaio. Um exemplo é a definição de água tipo I pela ASTM, que determina que o nível de TOC (total organic carbon) seja de até 50 ppb, enquanto certas aplicações necessitam que o TOC seja menor do que 5 ppb. Para isso, certos acessórios são utilizados, nesse caso a lâmpada UV

A lâmpada UV é capaz de oxidar bactérias e compostos orgânicos, permitindo que essa água ultrapura seja utilizada em ensaios analíticos, como HPLC, IC, IC-MS, ICP e AA. Já para aplicações de biologia molecular e cultura celular, é necessário acrescentar mais um elemento: o ultrafiltro. Esse tipo especial de filtro é capaz de reter detritos da oxidação UV e biomoléculas como nucleases e citotoxinas, o que significa água estéril, DNase e RNase-free, livre de DNA/RNA exógeno e de citotoxinas. Essa é a água mais pura que podemos produzir. 

Alguns sistemas de purificação de água tipo 1 podem ser alimentados com água tipo 2, e realizam apenas o polimento da água que recebem, enquanto outros podem ser alimentados com água de rede do laboratório, utilizando apenas sistemas de pré-tratamento mais simples. Essas duas opções fornecem água de mesma qualidade e a escolha de aquisição se baseia apenas na estrutura disponível no seu laboratório. 

Vale alertar que qualquer água ultrapura, por estar com tão alta pureza, irá prontamente começar a absorver impurezas e contaminantes do ar, como íons e CO2, tão logo saia do purificador. Por essa razão, é indicado que seja coletada no momento em que será utilizada. Uma outra consequência dessa alta pureza e reatividade é que a água ultrapura possui características corrosivas, não sendo indicada, portanto, para alimentar autoclaves, banhos-maria, incubadoras de CO2 e afins. 

Imagem 2: Monitoramento da lâmpada UV 

Alguns equipamentos fornecem, além do monitoramento da resistividade da água purificada, o monitoramento de TOC, que pode ser muito útil em algumas aplicações. Porém, essa função só é confiável enquanto a lâmpada UV estiver funcionando adequadamente. Assim, para qualquer sistema com monitoramento de TOC é necessário haver também o monitoramento da intensidade da lâmpada fluorescente e, preferencialmente, de suas horas de uso. 

Água tipo 2 (Pura) 

Imagem 3: Purificador e reservatório para água pura, modelo Pacific TII da Thermo Scientific 

A água pura, ou tipo 2, compreende a água destilada e deionizada. Esse tipo de água é apropriado para preparo de tampões e soluções não-críticas, além da alimentação de sistemas de purificação de água tipo 1. 

No caso de sistemas de purificação que não utilizam a destilação, utilizam-se cartuchos contendo membranas de osmose reversa seguidas de cartuchos contendo resinas de deionização que possuem afinidade por íons tanto positivos quanto negativos e os capturam durante a passagem de água de alimentação. 

Geralmente, a água pura é armazenada em tanques e barrilhetes. Estes devem estar sempre limpos e a água não deve passar de 2 dias armazenada sem ser recirculada, passando novamente pelo sistema de purificação ou consumida para nova purificação. Tanques frequentemente apresentam a opção de luz UV para evitar a formação de biofilme, mas ainda assim, a água não deve passar da marca de 2 dias de armazenamento. Sendo assim, uma boa aquisição seria um tanque inteligente (smart tank), que se comunica com o purificador e é possível configurar a quantidade de água produzida de acordo com a porcentagem de preenchimento do tanque. Assim, é possível purificar poucas quantidades nas épocas em que a demanda do laboratório é baixa, evitando que a água fique armazenada por muito tempo.  

Água tipo 3 (Osmose Reversa) 

A água de tipo 3 compreende a osmose reversa e sistemas de deionização de eficiência inferior aos utilizados para água tipo 2. Ela é adequada para rinsagem de vidrarias, alimentação de autoclaves, banhos e outros equipamentos de laboratório. 

O processo de osmose reversa é um processo de remoção de 99% do particulado da água de alimentação, bem como uma parte dos compostos orgânicos. Isso significa que a concentração de contaminantes na água purificada irá depender diretamente da qualidade da água fornecida ao equipamento. Por isso, não é possível especificar com precisão a qualidade da água purificada por osmose reversa sem conhecer as características da água de alimentação. 

Isso significa que as características regionais da água em uma certa cidade ou distrito influenciam diretamente na dificuldade em se obter água de qualidade laboratorial. Por esse motivo, faz-se o uso de sistemas de pré-tratamento para dois objetivos: garantir a qualidade de água de saída e proteger a membrana de osmose reversa de contaminantes que possam entupir ou mesmo rasgá-la. Contaminantes que geralmente causam esses problemas são cloro livre, particulados e cálcio. 

Como mostramos, cada tipo de água possui sua aplicação, onde nem sempre a mais pura é melhor. Verifique suas necessidades antes de adquirir seu purificador, para ter certeza de que todas elas serão atendidas. 

Não se esqueça de que manter seu purificador em ordem é de extrema importância. Dentre os diversos fabricantes, a necessidade de troca de peças como filtros, membranas e ultrafiltros varia de 3 meses a 2 anos. Verifique com seu fornecedor as necessidades do seu equipamento e, se possível, agende as trocas com antecedência e/ou adquira um contrato de serviços. Assim, você não será pego de surpresa descobrindo por falhas de experimentos que a sua água não está sendo purificada adequadamente. 

Conheça o Smart2Pure, o purificador de água da Thermo Scientific que entrega água tipo 1 e tipo 2 sendo alimentado com a água da torneira do seu laboratório.

Na Datamed, estamos à disposição para atendê-lo! Entre em contato para orçamentos, manutenções e dúvidas sempre que quiser. 

Compartilhar este post

tsx
Blog

Quanto vale um Ultrafreezer para você? 

É inegável que os Ultrafreezeres, conhecidos por muitos de nós como “-80”, são equipamentos de alto valor agregado, e é importante entender o porquê disso.

Blog

O Ultrafreezer TSX e sua Tecnologia V-Drive 

Menos gasto de energia, maior segurança, melhor qualidade de vida  Todos nós que já trabalhamos em um edifício com vários laboratórios sabemos o pânico que

Carrinho de compras